Às margens do Lago Guaíba, uma obra mudou a paisagem e a cultura porto-alegrense para sempre. Inaugurada em 2008, a Fundação Iberê Camargo homenageia o artista homônimo. Com o intuito de preservar e promover a obra de Iberê Camargo, a Fundação também promove reflexões culturais, educacionais e artísticas.

Nesse post, a Auxiliadora Predial conta um pouco sobre a história do artista e deste marco arquitetônico mundial. Confira!

 

O artista

Nascido em 1914, em Restinga Seca, no interior do Rio Grande do Sul, Iberê Camargo possui uma extensa obra que inclui pinturas, gravuras, desenhos e guaches. Foi um dos artistas brasileiros mais importantes do século XX. Ao longo do tempo, sua obra foi passando por transformações que acompanhavam a trajetória pessoal do artista, passando de representações de paisagens naturais para fases mais sombrias.

O escurecimento de sua paleta de cores se deu por conta de uma hérnia de disco que o obrigou a pintar somente de dentro de seu atelier. A abstração da obra de Iberê começa com um tema caro à sua infância, os carretéis, que foram ilustrados em diversas pinturas. Ao final de sua vida, sua obra ficou ainda mais taciturna, com retratos humanos solitários e escuros, demonstrando a melancolia do homem moderno.

 

A arquitetura

Inaugurada em 2008, a Fundação Iberê Camargo foi a primeira obra no Brasil do renomado arquiteto português Álvaro Siza. A obra recebeu o Troféu Leão de Ouro da 8ª Bienal de Arquitetura de Veneza, em 2002, e o Mies Crown Hall Americas Prize, em 2014, consagrando-se como uma das obras arquitetônicas mais importantes do mundo. Às margens do Guaíba, a obra harmoniza com a água e o famoso pôr do sol de Porto Alegre, estabelecendo-se como um grande ponto de lazer na cidade. Primeira obra no Brasil que utilizou concreto branco aparente, gerando um belo impacto visual.

 

O museu

Além de abrigar o acervo de Iberê Camargo, a Fundação tem exposições recorrentes que buscam divulgar a arte moderna e contemporânea. Desde 2017, a Fundação tem buscado o diálogo com a comunidade através de um programa educativo que visa a fomentar uma formação cultural e artística mais ampla. Seminários, cursos e música também fazem parte da programação do museu.

A Auxiliadora Predial recomenda a Fundação Iberê Camargo como um programa cultural para se fascinar e despertar os sentidos com arte e arquitetura, numa experiência marcante. Você já visitou o museu? Conte para nós como foi!