Você decidiu comprar um apartamento, olhou sua verba, foi em busca de imóveis e decidiu fechar negócio? Após conhecer os modelos de financiamento disponíveis, chegou a hora de entender quais são os tipos de amortização. Ou seja, como você paga as parcelas da casa que você vai financiar.

Comprar um imóvel envolve muitos fatores emocionais, como a escolha do melhor imóvel, os planos para deixá-lo do seu jeito, a satisfação pela realização de um grande objetivo de vida, e por aí vai. Mas com esse grande passo há também a necessidade de levar em conta um outro fator importante: o seu bolso.

Para quem não pode pagar um imóvel à vista, o financiamento é uma ótima oportunidade. Falamos no post anterior dos tipos disponíveis e, hoje, vamos mostrar como você pode escolher o melhor tipo de amortização de um financiamento. É uma decisão mais racional, que envolve o seu dinheiro e que vai garantir toda a tranquilidade para que você curta o momento da melhor forma possível!

O que é amortização?

Amortização é a redução do saldo devedor. Ela é feita sob o principal da dívida, que é exatamente o valor financiado. Ou seja, se você financiou R$ 150 mil para adquirir um imóvel, o principal da dívida será exatamente os R$ 150 mil.

Mas quando você contrata um financiamento, a amortização ganha a companhia dos juros – a forma de remuneração dos bancos ou das construtoras. Portanto, a parcela que sai do seu bolso todos os meses é composta pelo principal da dívida (valor do imóvel), mais os juros que incidem no parcelamento.

E são exatamente esses dois fatores que diferenciam os dois modelos de amortização de financiamento disponíveis no mercado: a Tabela Price e a tabela SAC (Sistema de Amortização Constante). Saiba as diferenças entre elas:

Tabela PRICE

Pela Tabela Price, as parcelas são fixas e a maior parte das primeiras prestações é composta por juros. No decorrer dos meses, o valor pago em juros vai diminuindo enquanto o de amortização vai subindo. Essa gangorra ocorre sem alterar o valor total que você pagará todos os meses até o fim do financiamento.

Por exemplo, se você financiou um imóvel em novembro de 2019 pela Tabela Price, com uma parcela de R$ 1.500, pagará esse valor do início à última prestação, lá em 2029. O que alterna é a incidência do peso dos juros e da amortização sobre o valor.

Tabela SAC

Enquanto na tabela Price o valor dos juros e da amortização se comportam com uma gangorra, a tabela SAC fixa o percentual da amortização e vai diminuindo o valor de juros ao longo do tempo.

Por ter esse modelo mais “agressivo” de amortização, as primeiras prestações costumam ser maiores. Em contrapartida, o preço das parcelas é reduzido no decorrer do tempo. Ou seja, as últimas parcelas são sempre mais baratas do que as primeiras. Esse é o caso das pessoas que começam pagando R$1.500 e terminam o financiamento com parcelas de R$ 400, por exemplo.

Qual delas é a melhor: tabela SAC ou PRICE?

A gente costuma dizer aqui na Auxiliadora Predial que o melhor tipo de amortização de financiamento é aquele que melhor se encaixa ao seu orçamento e ao seu momento de vida. Por isso, quando você estiver diante deste cenário, leve em consideração alguns pontos:

Para pagar a mesma parcela durante anos, tente analisar se esse valor não compromete muito a sua renda. Afinal, ela fará parte do seu orçamento mensal por um tempo considerável.

Na tabela SAC, você geralmente acaba pagando um valor total menor no fim do prazo. Isso devido ao sistema de amortização maior nas primeiras prestações, que diminui a incidência de juros. Em compensação, esse modelo exige uma fatia maior do seu orçamento nos primeiros anos.

Converse com o seu banco

Se você ainda não está certo sobre a melhor maneira de pagar o seu financiamento, uma ótima opção é bater um papo com o seu gerente do banco. Reserve alguns minutos do seu dia para tirar todas as suas dúvidas sobre amortização, despesas e vantagens. Com certeza você sairá de lá com muitas informações importantes, que ajudarão na tomada de decisão.

Há casos nos quais é possível incluir as despesas de cartório e tarifa de avaliação do imóvel no seu financiamento. No Santander, por exemplo, além dessa possibilidade, você ainda pode somar a sua renda com mais uma pessoa (mesmo sem ter parentesco), utilizar o seu FGTS e financiar até 80% do imóvel em até 35 anos.

Resumindo: a tabela Price e a tabela SAC são dois modelos de amortização que possuem vantagens e desvantagens. Por isso, analise tudo com calma para tomar a decisão que melhor caiba no seu bolso.

E não esqueça: a Auxiliadora Predial pode ajudar em todo esse processo. Contate a gente! Um dos nossos consultores irá auxiliar você a encontrar os melhores imóveis e as melhores condições para você!