Como fazer um abaixo-assinado no condomínio?

Descubra como fazer abaixo-assinado em condomínio
Redação

Redação

Tempo de leitura: 7 minutos

Abaixo-assinado no condomínio é uma situação praticamente unânime: todo síndico já recebeu um documento desses ou, então, pode viver essa situação a qualquer momento.

É através dessa prática que moradores levam ao síndico alguma situação específica e solicitam a solução de alguma questão.

Antes de tudo, as partes envolvidas precisam dominar esse assunto e entender como funcionam as definições e a elaboração do documento. Vamos começar?

 

Como funciona um abaixo-assinado?

Abaixo-assinado no condomínio é aquele documento elaborado e assinado por pessoas que estão reivindicando uma mesma questão e buscando ajuda para que alguma situação seja resolvida.

Esse instrumento de reivindicação coletiva possibilita que um grupo de pessoas possa se reunir em prol de algo e realizar uma solicitação à alguém em cargo de autoridade. 

Os casos mais comuns em que são vistos o uso de abaixo-assinado são para prefeitos, diretores de escola e, mais especificamente na realidade condominial, para os síndicos.

De forma simbólica, o abaixo-assinado traduz união e força através de um documento que representa uma causa coletiva. Neste sentido, o abaixo-assinado no condomínio é feito pelos moradores.

Em outras palavras, o documento torna uma manifestação pública e representa a insatisfação de um grupo com alguma situação e que aguarda por uma resolução.

 

Leia também:

O que é e como funciona o fundo de reserva do condomínio?

Regras básicas ao reformar um imóvel em condomínio

Faltas em assembleia de condomínio: como contornar a situação?

 

Validade legal de um abaixo-assinado

O abaixo-assinado no condomínio deve receber toda a devida atenção, mas surge uma dúvida: será que o documento vale legalmente?

No caso de condomínios, embora o Código Civil não utilize o termo abaixo-assinado, é certo que tal documento é muito comum para casos onde a massa condominial possua o desejo destituir o síndico que não presta contas, que pratica irregularidades ou, ainda, que não esteja administrando o condomínio de forma conveniente.

Perceba que tal previsão é estabelecida no artigo 1.350 do Código Civil, que prevê a possibilidade de convocação de assembleia geral extraordinária por um quarto de condôminos, o que via de regra tem de ser feito por meio de um abaixo-assinado.

Porém, atualmente vem se mostrando muito comum a circulação de abaixo-assinado com o fim específico de reivindicar a realização de obras ou, ainda, qualquer outra questão.

Vale destacar que o síndico possui suas competências legais, previstas no artigo 1.348 do Código Civil, e o não cumprimento destas não vincula ao mesmo a atender abaixo-assinados com meras reivindicações, uma vez que a Lei somente impõe aos condôminos de se fazer de tal documento para a convocação de assembleia geral extraordinária para tratar de destituição ou para que preste contas ou trate da previsão orçamentária.

Portanto, vale o bom senso de condôminos e a gestão eficiente do síndico para entender as intenções do documento e se o objetivo é ajudar e resolver – e não gerar algum tipo de novo conflito.

Existem, então, alguns assuntos que costumam gerar esse tipo de manifestação no condomínio, como é o caso de algum infortúnio com moradores.

 

Síndicos e condôminos devem dominar todos os aspectos em relação ao abaixo-assinado no condomínio
Síndicos e condôminos devem dominar todos os aspectos em relação ao abaixo-assinado no condomínio

 

Abaixo-assinado para expulsar morador

Um dos casos mais comuns está relacionado às dificuldades de convivência com um morador e o abaixo-assinado acaba surgindo como opção e uma forma de pressão para motivar ações que resolvam o caso.

No entanto, esse é um exemplo de como o uso do documento não é recomendado, de fato, em casos de conflito. Ainda que seja um caso de condômino antissocial, não é possível, legalmente, expulsar um morador com abaixo-assinado.

Afinal, se a pessoa tiver a sensação de ter sua imagem prejudicada, poderá dar início a uma ação judicial de danos morais contra os responsáveis. Neste caso, o abaixo-assinado entra, inclusive, como prova do processo na Justiça.

Logo, nos casos em que um morador gera problemas de convivência, o síndico deve ser acionado pelos demais condôminos e entrar em contato com o mesmo.

Se for inquilino da unidade, o síndico pode solicitar medidas como intervenção, reprimenda ou mesmo o despejo. Já se for o caso de um proprietário contrariando as regras da convenção do condomínio e do Regimento Interno, então ele pode ser advertido e multado.

 

Multa

Ainda, em últimos casos, como de situações graves e recorrentes – e devidamente provadas -, por decisão judicial, o condômino pode ser expulso/removido do condomínio. Ele também pode ser multado ou advertido, como falamos, já que a possibilidade de multa está prevista no Art. 1337 do  Código Civil:

 

O condômino, ou possuidor, que não cumpre reiteradamente com os seus deveres perante o condomínio poderá, por deliberação de três quartos dos condôminos restantes, ser constrangido a pagar multa correspondente até ao quíntuplo do valor atribuído à contribuição para as despesas condominiais, conforme a gravidade das faltas e a reiteração, independentemente das perdas e danos que se apurem.

Parágrafo único. O condômino ou possuidor que, por seu reiterado comportamento anti-social, gerar incompatibilidade de convivência com os demais condôminos ou possuidores, poderá ser constrangido a pagar multa correspondente ao décuplo do valor atribuído à contribuição para as despesas condominiais, até ulterior deliberação da assembleia.

 

Síndico recebeu um abaixo-assinado. E agora?

A gestão de conflitos deve ser uma habilidade extremamente aguçada em um síndico. E ela faz toda a diferença, especialmente nesses momentos em que há a movimentação de um grupo de pessoas em função de alguma questão polêmica.

E o que o síndico deve fazer ao receber um abaixo-assinado? Bem, além de reconhecer que existe, sim, um problema a ser resolvido, é necessário demonstrar atenção e vontade de minimizar os danos.

Leve em consideração o que está sendo trazido em forma de documento e entenda o que está sendo exigido. O início da resolução pode vir com uma reunião junto à pessoa que ficou como responsável pelo abaixo-assinado.

Neste diálogo tente entender a demanda, a motivação, a necessidade de resolução e tudo o que fizer sentido para se aproximar de uma solução.

Faça os moradores sentirem que você tem interesse em ouvir, compreender e resolver a situação da melhor forma, com empatia e respeito.

 

O que deve constar em um abaixo-assinado?

Por fim, o documento deve seguir uma estrutura padronizada, constando os seguintes itens:

 

  • Início: indique a quem o documento se dirige (nestes casos, ao síndico)
  • Destaque o nome do síndico, cargo e nome do empreendimento
  • Corpo do texto: apresente a solicitação e a justificativa para o que está sendo pedido
  • Depois, nomeie o condômino responsável pelo documento, além do seu telefone para contato
  • Encerramento: finalize preenchendo município, UF e data do documento. Por último, inclua as assinaturas dos condôminos com nome, data, número da sua unidade e CPF

 

Para o caso de abaixo-assinado de destituição de síndico, os condôminos devem observar que se trata, na verdade, de um edital de convocação assemblear, e, por isso, devem constar os seguintes dados:

 

  • Data, horário e local da primeira e segunda convocação da assembleia;
  • Itens a serem deliberados na ordem do dia (lembrando que quando se tratar de destituição é muito importante que seja dada a oportunidade do síndico prestar os esclarecimentos sobre os motivos que levaram aquela convocação);
  • Nome, CPF e apartamentos dos condôminos que assinam o abaixo-assinado.

 

 

As informações que você conferiu neste artigo foram construídas com o apoio do escritório Andrade & Cordeiro Advogados, através do advogado Denis Andrade.

 

Agora que você já sabe um pouco mais sobre abaixo-assinado no condomínio, que tal uma ajuda total com a gestão da vida condominial? Conheça agora as soluções completas da Auxiliadora Predial.

Vote post
Descubra como é morar em Gramado

Como é morar em Gramado?

Entenda como é a rotina de quem escolheu morar em Gramado, na Serra Gaúcha, perto de belezas naturais incríveis e com qualidade de vida.

Compartilhe

Envie por E-mail
Envie por Whatsapp
Envie por Facebook
Envie por Linkedin

© Auxiliadora Predial Ltda. Todos direitos reservados. | CRECI RS – J43 | CRECI SP – J21663 | Política de privacidade